Gestão Agile

Gestão Agile: O Que as Startups Estão Ensinando as Corporações e Como Você Pode Ser Um Líder no Método

Grandes empresas normalmente têm seus processos e rotinas mapeados, e com grau ótimo de eficiência. Mas quando se trata de tocar um projeto novo, aí a situação muda completamente. A Gestão Agile veio para resolver problemas assim. 

Normalmente o que temos é que cada área faz as coisas a sua própria maneira. Algumas utilizam softwares de gestão de projetos à moda antiga, outras tocam com métodos mais recentes.

Mas a Gestão Ágile possui respostas com métodos mais interessantes e fáceis para que o time envolvido esteja sempre entregando de maneira consistente as diversas etapas do projeto.

Origem da gestão agile

No ano 2000 um grupo de pessoas influentes da comunidade de Extreme Porgramming reuniu-se para verificar pontos que envolvesse processos de desenvolvimentos de software com XP, foram levantadas questões como a burocratização do processo de excesso de formalização com documentos.

A segunda reunião ocorreu no estado americano de Utah, essa segunda parte tornou-se um marco para os profissionais da área de gestão de projetos. Verificaram os fatores mais importantes no desenvolvimento de software e, assim, em unanimidade decidiram que era válido registrar tais questões em um documento.

Vale ressaltar que essa não era a intenção dos componentes do debate, mas se tornou inevitável quando perceberam com o que estavam lidando era algo grandioso, e que deveria ser tratado como tal.

Ali mesmo, eles adotaram um documento que se tornou um divisor de águas para o setor.
O Manifesto para o Desenvolvimento Ágil de Software, conhecido popularmente como Manifesto Áfil ou Agile. Foi ele que ditou os rumos da Gestão Agile

Os 12 princípios da Gestão Agile

Princípio 1: Valor

O principal objetivo dessas equipes não é produto final, segundo alguns requisitos determinados, mas entregar Valor ao cliente, ou seja, entregar uma solução eficaz.

Na prática, isso mostra a prioridade da felicidade do cliente, de sua extrema satisfação com os resultados. Essa forma de representação quebra paradigma para o setor, pois passa a ser mais importante desenvolver um crescimento orgânico do software.

O desenvolvimento passou a ser incremental, a partir das observações do dia a dia, não sendo apenas do briefing inicial. Isso lembra o máximo do marketing: é preciso entender para atender.

Princípio 2: Flexibilidade

Processos que envolvem ágeis se adequam a mudanças, para que o cliente possa ter vantagens competitivas, aceita alterações de requisitos mesmo na etapa final do desenvolvimento.

Pode-se perceber que é um princípio encaixado no outro. Quando você abre espaço para a satisfação do cliente, automaticamente ele já embarca no segundo, que é ter um projeto flexível e passível de alterações.

Princípio 3: Frequência

“Entregar o software em funcionamento com frequência, seja na escala de semanas ou meses, dando preferência a períodos mais curtos.”

Novamente podemos perceber o entrecruzamento. Cada projeto deve ser flexível, tendo como prioridade a satisfação do cliente, que na prática, deverá ser entregue por duas partes: Cada etapa é sujeita a validação, sendo assim, o produto final terá maior valor para o cliente.

A cada Sprint concluído, o time do projeto deve entregar uma funcionalidade ao cliente, com a capacidade para ser utilizado desde o primeiro momento.

Isso ajuda a percepção de valor até a testes e integrações com outras partes do projeto

Princípio 4: União

“Tanto pessoas relacionadas a negócios como desenvolvedores devem trabalhar em conjunto, diariamente, durante todo o curso do projeto”.

O desenvolvimento da gestão de uma empresa é de extrema importância. Pois os projetos precisam ser desenvolvidos de acordo com as necessidades dos clientes. Essa colaboração é o que permite a solução e validá-la a cada Sprint concluída.

Um dos mais importantes de um time com Gestão Agile é do Product Owner, profissional responsável para ser representante do cliente durante todo processo de desenvolvimento.

Princípio 5: Motivação

“Para construir projetos ao redor de indivíduos motivados, é preciso dar a eles o ambiente e o suporte necessários, confiando que farão seu trabalho”.

É fundamental que toda equipe do projeto na Gestão Agile esteja motivada. Só assim poderá desenvolver seu papel e num um ambiente adequado para o desenvolvimento de suas atividades. Focando tanto na orientação quanto na adequação das metodologias ágeis.

Ainda, é importante que os gestores tenham em mente que as ações para esse princípio seja posta em prática são importantes duas frentes: Equipe motivada e subsidiar a equipe com os suportes necessários.

Princípio 6: Comunicação

“O método mais eficiente de transmitir informações tanto externas como internas para um time de desenvolvimento é por meio de uma conversa cara a cara.”

Se verificar o surgimento do manifesto, perceberá que a burocratização era um dos principais pontos. Entretanto é preciso ter em mente o manifesto não deseja de hipótese alguma excluir as formas de comunicação, mas sim aperfeiçoá-las.

Mostrando que é preciso corta exagero de documentação que paralisava o processo. As reuniões de planejamentos de Sprint são importantes, e fazem parte dos princípios dos manifestos. Afinal, registro de atividade não é tão eficiente quanto uma reunião da equipe do projeto para alinhar objetivos certeiros.

Princípio 7: Funcionalidade

“Um software funcional é a medida primária de progresso”

A evolução de um projeto de Gestão Agile é estimado pela entrega de um software em pleno estado de funcionamento e não pela conclusão do mesmo.
Podemos observar que a funcionalidade é o resultado para a união dos três primeiros, valor, flexibilidade e frequência.
Assim, no ato de desenvolver um projeto os princípios se imbricam. Isso ocorre porque o manifesto é fruto da observação das escolhas e das suas melhorias.

Princípio 8: Sustentabilidade

“Processos ágeis promovem um ambiente sustentável, com patrocinadores, desenvolvedores e usuários sendo capazes de manter passos constantes.”

Deve-se ter o ambiente ideal para o desenvolvimento dos projetos, com os planejamentos por iterações e envolvimento de todos os componentes do trabalho. Deve ser contínuo, todos devem estar disponíveis para acompanhar e dar suporte.
O mais importante é se atentar ao uso dos recursos atuais, sem esgotá-los, mas sim os multiplicando para usos futuros.

Princípio 9: Revisão

“A contínua atenção à excelência técnica e ao bom design aumenta a agilidade.”

A revisão constante é necessária, como dos requisitos técnicos como também do design permitem uma solução realmente alinhada aos objetivos do cliente, dispensando grandes mudanças na entrega final.

Princípio 10: Simplicidade

“Simplicidade é a arte de maximizar a quantidade de trabalho que não precisou ser feito”.

Como o manifesto tenta otimizar as grandes partes do registro e outros documentos que comprometem o tempo da equipe. Assim, o trabalho se torna mais simples de ser executado.

Princípio 11: Organização

“As melhores arquiteturas, os requisitos e os designs emergem de times auto organizáveis.“

Os times são composto por pessoas com capacidade de organização por sí próprio, ou seja, conseguem dividir uma tarefa entre si sem precisar de um gerente de projetos esteja entre eles para interferir. Isso torna todos produtivos e focados em entregar resultados.

Princípio 12: Autoavaliação

“Em intervalos regulares, o time reflete em como ficar mais efetivo, então, se ajustam e otimizam seu comportamento de acordo.”

Esse princípio na prática consiste na revisão do trabalho, que ao final de cada Sprint, permita que a própria equipe avalie sua performance e descubras formas mais interessantes de agilizar todo processo.

As etapas das gestões usadas

A Gestào Agile tem as seguintes etapas; Construção de Backlog, Sprint Planning, Execução – com Daily Meetings-, e Sprint Review/Retrospective.
Uma das maiores prioridades é garantir a produtividade da equipe, frequência e pontualidade da entrega do produto

O Backlog é construindo em cima de um planejamento, nas interações com os consumidores, nas demandas para o time de marketing e nos feedbacks. Um bom Backlog é mais que um to-do list: as histórias e testes são priorizados seguindo uma combinação de 3 critérios:

Potencial: qual a probabilidade desse teste ou ação dar certo?
Impacto: qual o impacto que essa ação terá na métrica central?
Facilidade: qual o trabalho que o time terá para operacionalizar isso?

Sprint Planning
Uma reunião de planejamento que sempre acontece no início do Sprint, estimam-se as metas, as estratégias, entregas e prioridades que serão trabalhadas nesse período.
Cada Sprint tem um tema, definido pela equipe logo no início: Amplificar vendas, melhorar a experiência do usuário, fricção entre marketing e venda. Tendo em vista esse tema e a priorização já feita.
Execução ( com DAILY MEETINGS)

As tarefas do dia são discutidas na “Daily Meetings” que é uma anti-reunião de é, para a conversa não se prolongar com duração máxima de 15 minutos, que debate em torno de 3 perguntas:

1: O que fiz ontem para ajudar o time a bater a meta?

2: O que farei hoje para ajudar o time a bater a meta?

3: Existe algum obstáculo ou impedimento no meu caminho?

Essa conversa é de extrema importância para manter a transparência e o ritmo de execução.

Sprint Review/ Retrospective

Ao final do Sprint o grupo se reuni novamente em uma reunião de diagnóstico.  Nessa reunião são levantadas as principais métricas de todo o período, bem como o resultado dos testes e ações executadas.

É importante ter um olhar crítico sobre o que fez, não somente para o time ter conseguido fazer tudo proposto, mas também se o Sprint faz sentido para a empresa.

A Gestão Agile é eficiente, prática e moderna. Ao olhar pode parecer complexo de entender, mas se analisar bem é possível perceber que é um contexto rapido e pratico para se aprender.

Independente do jeito que deseja começar, compartes do projetos, ou com o método todo completo, é importante dar o pontapé inicial: assim como os termos de resultado, a própria forma de trabalhar com Agile Marketing evolui com os aprendizados adquiridos a cada Sprint.

No final, lembre-se dos benefícios de se adotar uma metodologia rápido: O aumento da habilidade e da gestão e pré-priorização de projetos, o aumento de produtividade do time e transparência geral do trabalho.

A metodologia Agile pode ser ainda melhor quando usamos novas tecnologias em seu processo criativo. Criamos um material exclusivo que sobre as 6 Tendências de tecnologia Para 2018 que você pode baixar gratuitamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This