Aprenda a criar um plano de manutenção preventiva eficiente!

Você já deve ter ouvido a expressão “melhor prevenir do que remediar”, não é mesmo? Essa é uma grande verdade, principalmente na área empresarial. Os impactos financeiros para consertar um problema são muito maiores do que os provenientes das manutenções preventivas.

Para que isso funcione, é essencial que você tenha, em seu negócio, um plano de manutenção preventiva eficiente, de forma a garantir o pleno funcionamento de sua organização sem maiores distúrbios. Aprenda como criar um corretamente e evite problemas futuros.

O que é manutenção preventiva?

A manutenção preventiva é definida como as intervenções realizadas em maquinários, peças e equipamentos diversos a fim de reparar os desgastes ocorridos devido ao uso frequente.

Ocorre periodicamente, antes do surgimento do defeito, a fim de evitar a perda total ou a retirada desses itens, podendo prejudicar a rotina de trabalho.

Dica: Como um gestor de facilities pode se destacar no mercado?

Por que ela é importante?

A manutenção preventiva é importante por uma série de motivos relacionados ao dia a dia da organização, tais como:

  • evita gastos desnecessários com a reparação de equipamentos que quebram ou param de funcionar devido à falta de manutenção;
  • economiza com insumos (água e luz) quando há algum tipo de problema que provoque a desregulação do aparelho;
  • evita pausas no trabalho e/ou na produção devido à ausência de algum item importante ou vital para a rotina da empresa;
  • impede gastos maiores que não estavam previstos no planejamento orçamentário;
  • melhora o tempo produtivo de trabalho, evitando dispersões geradas por problemas com equipamentos.

Quais são as ações mais comuns de prevenção?

É preciso compreender quais são as medidas mais comuns que podem ser implementadas em sua organização. Cada uma delas tem sua função e faz parte da rotina básica de prevenção, inclusas no plano de ação. Confira:

  • inspeções: é a checagem de cada equipamento, verificando se todos estão funcionando adequadamente e, em caso de apresentação de desgaste ou indicação de problemas futuros, busca-se o que pode ser feito para reparação e prevenção;
  • ajustes: no caso de itens que necessitem de cuidados, deverão ser feitos os ajustes necessários para garantir o pleno funcionamento;
  • substituição de itens: em alguns casos, para a manutenção preventiva, é necessário realizar a substituição de peças para garantir a qualidade do funcionamento dos aparelhos;
  • limpeza: a limpeza é fundamental para manter o bom estado de conservação, evitando problemas derivados do acúmulo de poeira, ferrugem, etc.;
  • lubrificação: em casos de máquinas, deve-se recompor a lubrificação periodicamente para evitar defeitos provocados pela ausência da substância;
  • regulagem: nos itens que necessitem de regulagem, verificar e calibrar para garantir o bom funcionamento.

Essas ações variarão de acordo com o padrão da peça que está passando por manutenção. A periodicidade também deverá seguir o mesmo mecanismo.

Como elaborar um plano de manutenção preventiva eficiente?

Para que essa conduta seja eficiente, ela precisa ser planejada, documentada e colocada em prática devidamente para que não ocorram defeitos que gerem prejuízos em curto e longo prazos.

É importante elaborar um plano de manutenção preventiva que deverá ser seguido à risca para evitar problemas e contratempos que comprometam o funcionamento do seu negócio.

Confira o passo a passo para traçar um documento para sua organização e implemente uma política de prevenção eficiente:

Levantamento de problemas e estatísticas

Em primeiro lugar, deve-se mensurar quais são as ocorrências mais comuns encontradas nos equipamentos que conduzem a defeitos em longo prazo. Busque quais são os mais recorrentes e catalogue.

Também verifique quais são os aparelhos que são vitais para o dia a dia da produção e que não podem ficar parados por falta de manutenção ou poderão comprometer todo o ciclo produtivo.

Verifique as estatísticas e perceba padrões: por exemplo, qual o tempo médio de desgaste de uma determinada peça ou quando é necessário repor a lubrificação de um maquinário e guarde essa informação.

Reunião com funcionários para avaliar necessidades específicas

Também é imprescindível conversar com os funcionários que operam esses aparelhos para saber o que apresenta defeito recorrentemente ou identificar sinais de necessidade de manutenção e perceber de que forma ocorrem os primeiros indícios de problemas.

Por exemplo, uma peça que começa a ranger pode estar apresentando sinais de necessidade de reparos antes de realmente ocorrer o defeito. E quem saberá esses primeiros sinais serão aqueles que estão em contato constante com ela. Por isso, ouvi-los é fundamental.

Elaboração do plano de ação

A partir dos levantamentos anteriores, é hora de pensar no que deve, de fato, ser feito. Descreva o que e como deverá ocorrer cada uma das etapas de ação que enumeramos anteriormente.

Verificação de peças e necessidades

Também deve constar, nesse documento, quais são as peças e/ou necessidades para se realizar a manutenção preventiva de forma adequada. Inclui-se nessa lista:

  • lubrificantes;
  • regulagens;
  • mão de obra especializada para determinado equipamento;
  • limpeza diferenciada;
  • pintura e reparos diversos.

Orçamentação

Verifique o orçamento estimado para a manutenção preventiva, já considerando as peças, os demais serviços e a mão de obra do reparo. Lembre-se que esse será um gasto periódico, então, deverá ser incluso na estratégia financeira da empresa.

Além disso, é necessário atentar para a necessidade de obter o melhor custo-benefício. Se a ideia é evitar prejuízos, optar por peças extremamente baratas, mas sem qualidade, pode causar problemas futuros bem onerosos.

Estabelecimento de cronograma

Estabeleça um cronograma de periodicidade para a realização da manutenção. Como determinados equipamentos exigirão cuidados mais recorrentes, e outros, de forma mais espaçada, é importante deixar bem especificado os prazos e os itens que serão verificados e ajustados em cada etapa.

Ordenação de um check-list final

Após definir todas as etapas anteriores, é hora de agir. Porém, deve-se sempre realizar os reparos com um check-list em mãos para confirmar o que foi, de fato, verificado e se houve qualquer tipo de anormalidade na situação que deva ser relatada.

Esse controle é fundamental para conferência em caso de divergências ou quebras precoces de maquinário ou equipamentos. Dessa forma, com tudo documentado, será possível avaliar se é necessário fazer a troca total (em alguns casos realmente chegou-se ao esgotamento final do funcionamento da peça).

Assim, será possível elaborar e colocar em prática um plano de manutenção preventiva sólido e que, com certeza, manterá sua organização em pleno funcionamento, com excelência e qualidade. Gostou desta publicação? Então curta nossa página no Facebook e receba outros artigos nossos diretamente no seu feed de notícias!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This